"Para mim é um orgulho liderar a JS. Ser mulher não faz de mim mais ou menos capaz"

"Para mim é um orgulho liderar a JS. Ser mulher não faz de mim mais ou menos capaz"

 

Miguel Bettencourt Mota   Regional   4 de Dez de 2017, 20:30

Ana Vitória Couto foi eleita presidente da Juventude Socialista nos Açores por unanimidade. Será a primeira mulher a exercer o cargo, mas a povoacense sublinha não ser esse o ponto mais importante da sua eleição. O que importa, disse em entrevista a este jornal, é reforçar a participação cívica dos jovens e combater a abstenção. A socialista tem 29 anos e é licenciada em Estudos Europeus e Política Internacional pela Universidade dos Açores.      




Foi recentemente eleita presidente da Juventude Socialista dos Açores. Que prioridades tem definidas para este seu mandato?
As prioridades que tenho definidas para os próximos dois anos é o reforço da participação cívica e o combate contra a abstenção. Trabalhar junto das diferentes associações em todos os concelhos e também trabalhar para tornar mais apelativa a participação política dos jovens nos Açores. Por isso, vamos lançar uma ampla campanha de angariação de militantes nos 19 concelhos dos Açores. Queremos no espaço deste mandato aumentar o nosso número de militantes e trazer mais gente à participação política...

...A perceção que existe é a de que os jovens estão cada vez menos envolvidos na política...
...A perceção da falta de envolvimento na política é transversal a todas as idades. Cabe, não só aos políticos, mas a toda a sociedade tentar motivar os jovens para a atividade política. Além disso, este é um tema que me é muito importante, pois a minha moção global de estratégia tem como título “Somos a Voz Ativa”. Os Açores têm bons números de participação jovem, não só na política, mas em outras associações, que na prática, também representa atividade politica. Um exemplo dessa participação jovem, é, por exemplo, a composição das listas do Partido Socialista às diversas eleições.

O que a pode distanciar do anterior presidente da JS? O que traz de novo?
A minha candidatura não se baseia no distanciamento para com o anterior líder da JS. No entanto, e uma vez que somos pessoas diferentes, é perfeitamente normal que tenhamos também ideias diferentes. O que posso garantir é que existe uma matriz comum à Juventude Socialista que servirá, sempre, de guia à minha liderança. Espero, contudo, desempenhar as minhas funções honrando o legado de todos os anteriores lideres da Juventude Socialista dos Açores...

...Será uma presidente subserviente às ideias do partido ou promete trazer alguma irreverência e ideias próprias?
Não se trata de subserviência, nem nós entendemos a atividade politica com essa lógica. A JS tem uma história e um legado, que responde na prática a essa pergunta ao longo dos últimos anos. Somos a organização política de juventude do PS, somos jovens socialistas e temos orgulho no trabalho e na governação que o PS tem desenvolvido na região.

Será a primeira mulher a liderar a JS. Isso representa algum motivo de orgulho em especial?
Para mim é um orgulho e uma honra liderar a Juventude Socialista açoriana. O facto de ser mulher não faz de mim menos ou mais capaz. Atualmente, face ao papel ativo que a mulher tem na sociedade acho que não deve ser especialmente relevado ser uma mulher a liderar a JS. Os homens e as mulheres devem ter os mesmos direitos. A igualdade entre homens e mulheres é a base para a construção de uma sociedade livre de preconceitos e de discriminação.
 
Identifica-se com o modo como se faz política na Assembleia Legislativa Regional?
A assembleia legislativa é o primeiro órgão da autonomia. Reflete as diferentes sensibilidades politicas e deve, independentemente das considerações, discordâncias ou anuências, ser respeitada como órgão representativo que é.
 
Pretende um dia ter assento parlamentar naquela casa?
Deve ser uma honra para qualquer açoriano representar o seu povo na casa mãe da democracia açoriana. Apesar de, neste momento, esse objetivo não constar no meu horizonte próximo. Se a oportunidade surgir no futuro, na altura decidirei como me posicionar perante esse cenário.  



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.