Jovem nepalesa morre isolada em cabana por não poder entrar em casa por estar com o período

Jovem nepalesa morre isolada em cabana por não poder entrar em casa por estar com o período

 

Lusa/AO online   Internacional   9 de Jan de 2018, 09:17

Uma jovem morreu isolada enquanto dormia numa cabana no Nepal devido à prática hindu conhecida como “Chhaupadi” que dita que a mulher não pode entrar em casa durante a menstruação ou no pós-parto para não contaminar o lugar.

O corpo sem vida de Gauri Bayak Budha, de 23 anos, foi encontrado na segunda-feira numa cabana próxima da residência familiar no distrito de Achham, a 750 quilómetros da capital do Nepal, Katmandu, afirmou hoje o chefe da polícia do distrito, Dadhiram Neupane, à agência Efe.

“Os familiares disseram que ela foi dormir para a cabana depois de jantar e que a encontraram morta na manhã de segunda-feira”, explicou o mesmo responsável.

Segundo o chefe da polícia, a jovem acendeu uma pequena fogueira no interior do lugar para se aquecer, pelo que a morte pode ter sido causada por inalação de fumo.

“No entanto, só podemos ter certezas relativamente à causa de morte quando tivermos o resultado da autópsia”, realçou.

Trata-se da quarta morte ocorrida na sequência da prática “Chhaupadi” no Nepal em pouco mais de um ano.

Duas jovens, de 21 e 15 anos, morreram de hipotermia e outra de 18 após ter sido mordida por uma serpente enquanto pernoitavam em estábulos ou precárias cabanas.

O Parlamento do Nepal aprovou, em agosto, uma lei que criminaliza essa prática, à luz da qual as pessoas que forçarem uma mulher a abandonar a sua casa devido ao “Chhaupadi” arriscam uma pena de até três meses de prisão e uma multa de 3.000 rupias (39,5 euros).

Esta prática tinha sido, além disso, proibida pelo Supremo Tribunal em 2005.

“O veredito de há 12 anos ordenou o fim desta prática, mas não se deram os passos necessários para o aplicar”, afirmou a advogada e ativista Meera Dhungana, sublinhando que receia que “a nova lei tenha o mesmo destino”.

“Tem que haver campanhas de consciencialização e os partidos deveriam incluir [o assunto] na sua agenda política para pôr termo a esta má prática”, disse a mesma responsável em declarações à agência de notícias Efe.

Este tipo de costume discriminatório contra a mulher é relativamente comum no sul do continente asiático.

Na vizinha Índia, por exemplo, as mulheres também sofrem limitações, como a proibição de manusear alimentos ou cozinhar e a obrigação de dormir num quarto ou numa cama separadas do parceiro ou restantes familiares durante o período em que estão a menstruar.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.