Centeno tem até ao final da manhã de hoje para se candidatar ao Eurogrupo

Centeno tem até ao final da manhã de hoje para se candidatar ao Eurogrupo

 

Lusa/AO Online   Economia   30 de Nov de 2017, 08:37

O prazo para apresentação de candidatos ao cargo de presidente do Eurogrupo termina hoje, às 11:00 de Lisboa, mantendo-se até às últimas horas o “suspense” em torno da eventual candidatura do ministro das Finanças, Mário Centeno.

A poucas horas do final do prazo fixado para a entrega formal de candidaturas para a eleição do sucessor de Jeroen Dijsselbloem, a ter lugar na reunião do Eurogrupo da próxima segunda-feira, em Bruxelas, ainda nenhum dos 19 ministros da zona euro – os elegíveis para o cargo – formalizou a sua candidatura, o que deverá acontecer durante a manhã de hoje, até às 12:00 da Europa central.

Em 16 de novembro passado, o secretariado-geral do Conselho da União Europeia enviou uma carta aos 19 membros da zona euro a explicar os procedimentos para a eleição do presidente do Eurogrupo.

“Os ministros que desejem apresentar as suas candidaturas para se tornarem presidente do Eurogrupo podem fazê-lo por escrito a partir de hoje e o mais tardar até 30 de novembro de 2017, às 12:00 (horário Europa Central). Mais especificamente, e em linha com a prática no passado, os ministros que se apresentem à eleição devem anunciar a sua candidatura numa carta de motivação”, lê-se na missiva enviada às 19 capitais.

Os serviços do Conselho da UE especificaram que na sexta-feira, 01 de dezembro, o presidente do Eurogrupo ainda em funções, Jeroen Dijsselbloem, “tenciona tornar públicos os nomes dos candidatos” à sua sucessão.

Até ao momento, ainda ninguém formalizou a candidatura, mas já manifestaram publicamente “interesse” o ministro eslovaco, Peter Kazimir, a letã Dana Reizniece-Ozola, e o luxemburguês Pierre Gramegna.

Mário Centeno, que há meses tem sido apontado em Bruxelas como sério candidato ao cargo – e que no último Eurogrupo já recebeu mesmo o apoio declarado de Espanha, caso decida avançar -, reconheceu ter mantido múltiplos contactos ao longo das derradeiras semanas, mas ainda não assumiu a candidatura ao posto.

O Eurogrupo prepara-se para eleger o terceiro presidente da sua história, marcada pelas críticas à falta de transparência de um órgão que é supostamente um fórum informal, mas onde foram tomadas muitas das decisões mais importantes durante a crise económica e financeira.

Na sua próxima reunião, na segunda-feira, em Bruxelas, será eleito o sucessor do holandês Jeroen Dijsselbloem, que em janeiro de 2013 sucedeu àquele que foi o primeiro presidente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, o agora presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que quando assumiu funções (2005) era primeiro-ministro e ministro das Finanças do Luxemburgo.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.