Ministra do Mar defende introdução de GNL nos portos regionais

Ministra do Mar defende introdução de GNL nos portos regionais

 

LUSA / Miguel Bettencourt Mota   Regional   12 de Abr de 2018, 16:08

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, defendeu ontem, no parlamento, a introdução de gás natural liquefeito (GNL) nos principais portos continentais e das regiões autónomas dos Açores e da Madeira, de modo a melhorar “o desempenho ambiental e criar mais empregos”.

“Continuarei a executar esforços apoiando a execução de missões empresariais. Como pode ser verificado, a estratégia nacional para o mar 2013-2020 está a ser concretizada. […] Desta forma estaremos a construir um futuro económico resiliente e sustentável, com empregos mais atrativos para os portugueses”, acrescentou.

A governante garantiu ainda que, no âmbito do programa Fundo Azul, serão pagos 500 mil euros no decorrer deste mês.

“O Fundo Azul já tem 205 candidaturas e estão aprovadas mais de uma dezena. Cerca de 500 mil euros serão pagos ao longo deste mês. Estão a decorrer processos de consulta pública para [os pagamentos] poderem ser efetivados”, garantiu Ana Paula Vitorino, durante o debate político “A Economia do Mar e o Setor Marítimo-Portuário”.

A ministra do Mar indicou igualmente que o Governo avançou com planos a dez anos no valor de 2,5 mil milhões de euros para aumentar a competitividade logística do mar, sendo 83% deste montante de origem privada.

De acordo com Ana Paula Vitorino, os planos em causa visam “o aumento da capacidade eficiente da cadeia logística, da qual se espera um aumento de 200% na carga”.

O Fundo Azul tem por objetivos o desenvolvimento da economia do mar, a investigação científica e tecnológica, a proteção e monitorização do meio marinho e a segurança, reforçando para isso os mecanismos de financiamento de entidades, atividades e projetos, segundo a informação disponível da página do programa Portugal 2020.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.