Mais de 4000 crianças contactam com atividades do setor no Dia Nacional da Agricultura

Mais de 4000 crianças contactam com atividades do setor no Dia Nacional da Agricultura

 

Lusa/AO online   Regional   16 de Mai de 2018, 15:49

Mais de 4.000 alunos de São Miguel contactaram esta quarta-feira com atividades agrícolas, tendo o presidente do Governo açoriano destacado "a determinação" do setor e lembrado que a negociação do próximo Quadro Comunitário de Apoio "é um dos desafios".

“Todos os dias há desafios ao nível do trabalho do Governo Regional e ao nível do trabalho de cada um dos agricultores. Mas, a questão que hoje gostaria de realçar é o mérito e a importância desta iniciativa e por aquilo que ela significa também de determinação e de vontade de vencer os desafios que se apresentam no futuro”, afirmou o presidente do executivo açoriano, Vasco Cordeiro.

O chefe do executivo açoriano falava em declarações aos jornalistas após uma visita ao mercado agrícola, no Parque de Exposições de Santana, em Rabo de Peixe, concelho da Ribeira Grande, nas iniciativas que assinalaram o Dia Nacional da Agricultura.

O espaço recebeu esta quarta-feira a visita de mais de quatro mil crianças que participaram em atividades ligadas à agricultura sob o tema “cuidar e cultivar para todos alimentar”, com o objetivo de sensibilizar os estudantes para a importância da agricultura e do mundo rural na região, iniciativa organizada pela Associação Agrícola de São Miguel, com o patrocínio da Confederação de Agricultores de Portugal (CAP) e do Governo dos Açores.

O presidente do Governo dos Açores salientou o percurso “absolutamente notável” que os Açores têm feito nos laticínios, mas também em todo o setor agrícola.

“Os agricultores açorianos são um exemplo na capacidade de resposta aos desafios quer da qualidade, quer da quantidade que lhes são colocados e não apenas no setor dos laticínios”, frisou, lembrando que “os Açores produzem mais de 30% do leite que é produzido em Portugal e cerca de 50% do queijo”.

O presidente do Governo açoriano considerou que a iniciativa a propósito do Dia Nacional do Agricultura "valoriza e dignifica o setor".

Vasco Cordeiro referiu que há aspetos que "urge melhorar" no setor, elegendo como um desses desafios, que "deve mobilizar todos, a negociação do próximo Quadro Comunitário de Apoio".

“É conhecido que nós não estamos satisfeitos com a proposta de Orçamento Comunitário que foi apresentado, mas hoje gostaria de realçar a importância do mérito desta iniciativa, numa região em que a agricultura tem o peso que tem, que é servir a causa dos Açores”, disse.

O presidente da Associação Agrícola de São Miguel, Jorge Rita, destacou a união de esforços na organização da iniciativa, o que pode ser "um exemplo para aquilo que são as preocupações no futuro da agricultura".

Jorge Rita, que é também presidente da Federação Agrícola dos Açores, referiu-se às reivindicações que são necessárias junto da União Europeia para "inverter aquilo que já são as indicações em termos do próximo Quadro Comunitário de Apoio e as verbas que estão adstritas".

“Todos temos que olhar para os Açores de uma forma diferente em relação ao que é a agricultura no contexto nacional e europeu”, sustentou.

Referindo-se à iniciativa do Dia Nacional da Agricultura, Jorge Rita salientou que o objetivo é fazer também com que nas escolas se fale cada vez mais na importância que a agricultura tem no dia-a-dia da região.

O presidente da CAP, Eduardo Oliveira e Sousa, afirmou que no caso dos Açores, e atendendo à situação particular do arquipélago, por serem ilhas afastadas do continente, “os apoios têm que ter uma expressão ainda mais significativa”.

"A CAP está envolvida em toda a negociação do pacote agrícola e são muito importantes as ajudas específicas para as regiões insulares dentro do pacote que corresponde à Política Agrícola Comum. Faremos os possíveis para que este setor não possa ficar menos apoiado", sustentou Eduardo Sousa.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.