Companhia Nacional de Bailado estreia nova criação "Toccata e Fuga" na sexta-feira

Companhia Nacional de Bailado estreia nova criação "Toccata e Fuga" na sexta-feira

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   14 de Mai de 2018, 15:57

A nova criação "Toccata e Fuga", resultado de uma encomenda da Companhia Nacional de Bailado (CNB) à coreógrafa italiana Ambra Senatore, vai estrear-se na sexta-feira, no Teatro Camões, em Lisboa, indicou hoje aquela entidade à agência Lusa.

De acordo com a CNB, o programa inclui "Toccata e Fuga", e "Passo" (2010), uma coreografia da mesma criadora, atual diretora do Centre Chorégraphique National de Nantes, em França.

O programa vai estar em palco até 27 de maio e o ensaio geral solidário realiza-se na quinta-feira, às 21:00, com a bilheteira a favor do Lions Clube do Montijo, e Nuvem Vitória.

"Toccata e Fuga" tem coreografia de Ambra Senatore, música original de Jonathan Seilman e desenho de luz de Fausto Bonvini, com interpretação de artistas da CNB.

Trata-se de uma peça para 18 bailarinos da CNB na qual é possível observar que as questões da partilha e do encontro constituem, para Ambra Senatore, elementos importantes do espetáculo ao vivo.

"O humano atravessa todas as suas peças e a sua dança parte, de cada vez, ao encontro das pessoas, deixando espaço à fragilidade, à dúvida, ao sentido crítico, à partilha e ao humor. Solos, peças de grupo, ou performances, as criações de Ambra Senatore inspiram-se na vida", segundo uma nota de imprensa da CNB enviada à agência Lusa.

A dança de Ambra Senatore "pede emprestado gestos simples e movimentos do quotidiano transpostos para um universo surrealista e alterado".

Em cena, 18 indivíduos cruzam-se e alguns entram em relação, enquanto os seus movimentos despistam os sentimentos que os impulsionam.

"A partir desta relação entre o individual e o coletivo, Ambra Senatore retrata meticulosamente a nossa humanidade e as suas falhas. Obstinação, dúvida, inconstância... tudo é observado à lupa. A coreógrafa chama a nossa atenção para os gestos quotidianos que revelam muita coisa", acrescenta.

A coreógrafa também foi convidada a remontar uma das suas obras mais emblemáticas, "Passo", de 2010, uma coreografia em colaboração com Matteo Ceccarelli, Elisa Ferrari, Caterina Basso, Cláudia Catarzi e Tommaso Monza.

Quanto a "Passo", explora os limites entre a ficção e a realidade, entre uma partitura coreográfica e a improvisação.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.