Cerca de uma centena de professores exigem na Horta reposição do tempo de serviço

Cerca de uma centena de professores exigem na Horta reposição do tempo de serviço

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Jul de 2018, 16:06

Cerca de uma centena de professores da ilha do Faial, manifestou-se em frente à Escola Básica e Integrada António José D'Ávila, na Horta, para exigir a reposição integral do tempo de serviço.

Os docentes, que lecionam naquela escola e também na Secundária Manuel de Arriaga, empunharam cartazes exigindo "mais educação e menos alcatrão", garantindo que "o tempo não se negoceia: conta-se", entoando também palavras de ordem como "tempo trabalhado, tempo contado" e "não ao apagão".

"Estamos aqui para manifestar o descontentamento dos professores da ilha do Faial, que estão em greve há praticamente um mês, em conjunto com o resto dos professores da região e do país, para exigir a contagem do tempo de serviço, que foi aquilo que nos foi prometido e que está previsto no Orçamento do Estado", sublinhou Paula Decq Mota, professora e dirigente sindical.

Segundo explicou, os professores são dos poucos trabalhadores no país que ainda não viram repostas as suas regalias, depois dos cortes impostos pelo anterior Governo da República, de Passos Coelho, mas que o atual primeiro-ministro, António Costa, prometeu devolver, nomeadamente em matéria de tempo de serviço.

"Praticamente todos os funcionários públicos deste país têm as suas regalias repostas. Os professores vão ser os únicos a não ter, porquê?", questionou a docente, em declarações aos jornalistas, lamentando que o ensino seja uma área pouco valorizada em Portugal.

Isabel Rego, outra das professoras em luta, criticou, por outro lado, o "silêncio" do Governo dos Açores em relação às reivindicações dos docentes, lamentando que, apesar de ter autonomia em matéria de Educação, o executivo açoriano não tome qualquer decisão sobre esta matéria.

"Temos autonomia, temos uma bandeira, temos um hino, mas pelos vistos é só isso que temos", criticou a docente, que assegura que a luta dos professores vai continuar.

Os professores estão, entretanto, a preparar uma nova manifestação, a realizar na próxima semana, em frente à sede da Assembleia Legislativa dos Açores, na cidade da Horta.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.