Papa pede a líderes religiosos em Rangum que “não se deixem colonizar”

Papa pede a líderes religiosos em Rangum que “não se deixem colonizar”

 

Lusa/AO online   Internacional   28 de Nov de 2017, 09:11

O papa reuniu-se hoje com um grupo de 17 líderes, representantes das diferentes religiões presentes na Birmânia e instou-os a defender a sua identidade, a não terem medo da diferença e a “não se deixarem colonizar”.


Num país onde 90% da população é budista, mas com 135 etnias reconhecidas e a presença de várias confissões, Francisco quis manter uma reunião com os seus representantes.

O encontro com os líderes budistas, islâmicos, hindus, judeus, anglicanos e católicos birmaneses aconteceu na arquidiocese, onde o papa fica instalado durante a visita à Birmânia, onde chegou na segunda-feira.

O encontro durou 40 minutos e usou da palavra o bispo John Hssane Hgyi, seguido dos diferentes representantes, informou o porta-voz do Vaticano, Greg Burke.

No seu discurso, Francisco falou em espanhol e recordou que “é bonito ver os irmãos reunidos”, mas, acrescentou, “unidos não quer dizer iguais, a unidade não é uniformidade”.

O sumo pontífice lamentou que se esteja a assistir a “uma tendência para a uniformidade”, que definiu como “uma colonização cultural”.

“Cada um tem os seus valores, as suas riquezas, e também as suas deficiências. E cada confissão tem as suas tradições, as suas riquezas. E isto apenas pode acontecer se vivermos em paz”, disse.

“A paz constrói-se no coro das diferenças. A unidade acontece sempre na diversidade”, segundo o texto do discurso, proporcionado pelo gabinete de imprensa do Vaticano.

Jorge Bergoglio instou os líderes birmaneses a “entender a riqueza das diferenças étnicas, religiosas e populares” que representam.

“Não tenhamos medo das diferenças (…) Construam a paz e não se deixam igualar pela colonização”, disse.

Após a reunião, Francisco reuniu-se em privado com o líder budista, Sitagu Sayadaw, a quem disse que a única via para alcançar a paz é a convivência entre irmãos.

Francisco prevê viajar hoje até Naypyidaw, capital birmanesa, para se reunir com o Presidente do país, Htin Kyaw, e com a Nobel da Paz e líder ‘de facto’ do Governo, Aung San Suu Kyi.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.