Dezenas de líderes religiosos presos e acusados de trabalho escravo no Brasil

Dezenas de líderes religiosos presos e acusados de trabalho escravo no Brasil

 

Lusa/AO online   Internacional   8 de Fev de 2018, 14:40

As autoridades brasileiras prenderam 22 líderes de um grupo religioso suspeito de tráfico de pessoas e também de obrigar membros da sua congregação a trabalhar em condições análogas à escravidão.

Um comunicado do Ministério do Trabalho do Brasil divulgado hoje informa que as prisões fazem parte de uma operação chamada Canaã, iniciada em 2013.

Nesta nova fase, as autoridades investigaram a documentação dos trabalhadores explorados pela seita religiosa Igreja Cristã Traduzindo o Verbo, antes chamada de "Comunidade Evangélica Jesus, a verdade que marca".

O número total de vítimas ainda não foi contabilizado, mas o órgão do Governo brasileiro informou que os líderes da seita convenciam os membros a doar todos os seus pertences ao grupo e a viver em comunidades onde tudo era compartilhado.

Segundo o Ministério do Trabalho brasileiro, os membros da seita trabalham longas horas todos os dias, sem pagamento, em fazendas e negócios da igreja, enquanto os líderes acumulavam o capital obtido pelo trabalho dos fiéis.

As autoridades brasileiras disseram que encontraram trabalhadores em condições análogas a escravidão durante incursões em São Paulo, Minas Gerais e Bahia na última terça-feira, quando as prisões foram feitas.

Os 22 líderes da seita foram presos preventivamente e, segundo a polícia federal do Brasil, se forem condenados podem ter penas de até 42 anos de prisão.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.