Burning Summer traz Brasil e Cabo Verde ao Porto Formoso

Burning Summer traz Brasil e Cabo Verde ao Porto Formoso

 

Miguel Bettencourt Mota   Cultura e Social   5 de Jun de 2018, 10:02

Festival segue na quarta edição e, este ano, aposta nas sonoridades de Cabo Verde e do Brasil. A banda de forró e samba Luso Baião está confirmada no evento, que tem como cabeças de cartaz Orelha Negra, Fogo Fogo e a cabo-verdiana Elida Almeida


Orelha Negra, Fogo Fogo e Elida Almeida são os cabeças de cartaz da quarta edição do festival Azores Burning Summer, que vai decorrer no Porto Formoso nos dias 31 de agosto e 1 de setembro.

O festival volta a ter como pano de fundo a praia dos Moinhos e, nesta quarta vida, as escolhas em cartaz revelam uma “aposta forte na música negra, nos sons quentes e tropicais que vêm do Brasil e do arquipélago vizinho, Cabo Verde”, sinalizou o organizador Filipe Tavares, na apresentação pública do cartaz que teve lugar, ontem, na Câmara Municipal da Ribeira Grande (CMRG).

Elida Almeida é quem é natural de Cabo Verde, mas a banda Fogo Fogo - que teve berço no continente português - empresta também a sua alma cabo-verdiana ao Burning Summer.

Luso Baião, por sua vez, um projeto formado por músicos portugueses e brasileiros, que nasceu em Lisboa em 2013, é quem está encarregue de trazer o ‘forró’ e ‘samba’ do Brasil à pitoresca freguesia do Porto Formoso.

A programação musical, refira-se, é assegurada em parceria com Adrian Sherwood - responsável pela editora independente On U Sound Records - e, preservando a essência exótica do evento, volta a apostar na diversidade. Como tal, olhando ao cartaz, podem também encontrar-se nomes como Da Chick, PMDS, Moullinex, Xinobi e Boots Reunion.

Filipe Tavares considera que o público “tem aderido cada vez mais às propostas” apresentadas pela organização e perspetiva uma boa adesão àquele que pretende ser um festival “quente e muito animado”.

À semelhança das anteriores edições, o Azores Burning Summer estará dividido por dois recintos: um localizado na praia e o outro no parque dos Moinhos.

Na praia, haverá lugar a programação gratuita com acesso a animação de DJ e bandas, mas voltará a ser o parque a acolher o palco principal, onde tocarão os artistas de renome.

O programa do festival contempla iniciativas paralelas à agenda musical e, assim, dará continuidade à exposição de veículos elétricos e ao Burning Market, uma feira de artesanato que expõe produtos naturais e peças de autores de ‘ecodesign’.

Até à última edição, o evento foi organizado pela Associação Regional para a Promoção e Desenvolvimento do Turismo, Ambiente, Cultura e Saúde (ARTAC) e produzido pela Ventoencanado. Entretanto, este ano, a CMRG junta-se à organização do evento.

“Esta parceria é o culminar de uma estratégia que a autarquia tem vindo a desenvolver ao nível do seu programa cultural, em particular na altura do verão”, explicou o presidente da autarquia na conferência de apresentação do festival.

Acrescentou Alexandre Gaudêncio que a iniciativa autárquica também se prende com a preocupação de se descentralizar os eventos que se realizam “no concelho, de forma a abranger outras zonas do território, em particular, neste caso, a freguesia de Porto Formoso”.

Nesta fase de pré-venda, os bilhetes para os dois dias do evento podem ser adquiridos na bilheteira online (bol.pt) por 20 euros, passando a ter um custo de 25 euros, a partir de 15 de agosto. O ingresso diário terá um custo associado de 18 euros.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.