10 de junho

Bermudas declaram feriado nacional para evocar primeiros imigrantes portugueses

Bermudas declaram feriado nacional para evocar primeiros imigrantes portugueses

 

Lusa/Ao online   Internacional   9 de Jun de 2018, 08:41

As ilhas Bermudas vão celebrar um feriado nacional no dia 04 de novembro de 2019 para assinalar a chegada dos primeiros portugueses, há 170 anos, disse à Lusa a cônsul honorária portuguesa naquele território, Andrea Moniz de Souza.

“O ‘premier’ [David Burt] anunciou que, com a aprovação do Governo e a sua confirmação com o Governador, que 04 de novembro de 2019 foi declarado um feriado público para marcar o 170.º aniversário da chegada dos primeiros imigrantes portugueses às Bermudas”, descreveu a cônsul honorária.

A decisão é vista pela comunidade portuguesa e lusodescendente como uma “ocasião incrível”, mas é também “um reconhecimento que é devido há bastante tempo”, descreveu, sublinhando “o contributo considerável feito por várias gerações de portugueses às Bermudas”.

“Todos os aspetos da vida das Bermudas, desde a política ao serviço público, o desporto, o entretenimento e a indústria, têm sido influenciados pela nossa participação. Nós fazemos muito parte do tecido cultural das Bermudas”, considerou Andrea Souza.

Além disso, acrescentou, “este reconhecimento também dá aos portugueses nas Bermudas um sentimento de finalmente serem aceites como uma parte intrínseca da comunidade local”.

A celebração do feriado vai agora começar a ser preparada e a cônsul honorária pretende que as festividades resultem de uma “verdadeira colaboração entre os governos das Bermudas e de Portugal, incluindo o dos Açores, e as comunidades portuguesa e bermudesa”, disse.

“Esperamos convidar autoridades portuguesas para estarem presentes”, afirmou Andrea Souza.

Estima-se que um quarto da população das Bermudas tenha ascendência portuguesa, sendo a esmagadora maioria da comunidade oriunda dos Açores ou descendente de açorianos.

“Os portugueses ou bermudeses de ascendência portuguesa trabalham em praticamente todas as áreas – agricultura, construção, hotelaria, direito, medicina, política ou setores de comércio internacional”, relatou.

Além disso, nos últimos anos, tem-se assistido à “chegada contínua de portugueses, principalmente dos Açores”, segundo a cônsul honorária.

A presença portuguesa nas ilhas é tão marcada que as máquinas de multibanco têm duas opções de línguas – inglês e português; há bandeiras de Portugal e dos Açores em edifícios e barcos; há padarias e cafés portugueses; os católicos têm missas faladas em português e anualmente celebram-se as Festas do Senhor Santo Cristo e do Espírito Santo, que recebem “muitos não-portugueses”.

Apesar disto, a cônsul honorária alerta que “há alguns aspetos que o Governo das Bermudas deve resolver e que estão a afetar em grande medida a comunidade portuguesa”, nomeadamente a obtenção de cidadania nas ilhas, em particular para os cidadãos de origem portuguesa ali nascidos, que não podem trabalhar em adultos caso não tenham autorizações de trabalho.

“Vemos esta iniciativa como um primeiro passo na direção certa e estamos muito empenhados em colaborar com o Governo das Bermudas”, sublinhou.

Andrea Souza descreve as relações entre Portugal e as Bermudas como “boas”, mas afirma-se empenhada, enquanto cônsul honorária, no aprofundamento desta ligação.

Em 2015 foi assinado um memorando de entendimento entre as Bermudas e os Açores, afirmando o seu compromisso em promover a cooperação e amizade recíproca e uma maior ligação entre os povos, as instituições e as entidades públicas e privadas, exemplificou.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.