Autoridades no Havai contabilizam 117 habitações destruídas por erupção do Kilauea

Autoridades no Havai contabilizam 117 habitações destruídas por erupção do Kilauea

 

Lusa/AO online   Internacional   5 de Jun de 2018, 09:21

As autoridades do Havai contabilizaram, até segunda-feira à noite, 117 habitações destruídas pelas torrentes de lava na Ilha Grande pela erupção do vulcão Kilauea, indicou a porta-voz do condado, Janet Snyder.

Na sexta-feira, a contabilização tinha ficado nas 87 habitações destruídas, sendo que esta disparidade de números, num curto espaço de tempo, deve-se, de acordo com a responsável, à dificuldade do levantamento através dos meios aéreos por causa do vapor produzido pela lava no oceano.

As autoridades já emitiram ordens para os moradores de Leilani Estates, de Kapoho Beach e de Vacationland abandonarem as habitações, ou podem correr o risco de ficarem presos e inacessíveis às equipas de emergência.

Os moradores das áreas próximas também devem estar preparados para evacuar, afirmaram as autoridades.

O vulcão Kilauea entrou em erupção há cerca de um mês, obrigando já à retirada de mais de duas mil pessoas de zonas onde a lava começou a ser expelida por fissuras no solo.

Ao nível do turismo, uma das maiores indústrias locais, a ilha já perdeu três milhões de euros correspondentes aos meses de maio, junho e julho, com a grande maioria dos cruzeiros a cancelar estadias devido à erupção.

O vulcão Kilauea situa-se no sudeste da Grande Ilha do Havai, onde vivem cerca de 185 mil pessoas. Entrou em erupção em 03 de maio e desde então já foram registadas mais de 20 fissuras que estão a expelir lava.

A 1.200 metros de altitude, o Kilauea é um dos mais ativos no mundo e um dos cinco existentes naquele arquipélago norte-americano.

O Kilauea está em erupção contínua desde 1983. O Observatório de Vulcões do Havai emitiu um aviso, em meados de abril, relatando que havia sinais de pressão no magma subterrâneo.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.